Blog »

Mente e Cérebro

Profissionais apontam que ginástica para o cérebro não aumenta inteligência

 

Segundo 70 neurocientistas e psicólogos cognitivos, não há evidências de que “jogos cerebrais” melhoram o desempenho cognitivo ou ajudam a prevenir doenças degenerativas.

 

 

Não há evidências científicas sólidas que validem a eficácia de jogos e programas de computadores que prometem brain training (treino para o cérebro). É o que afirma um documento assinado por 70 neurocientistas e psicólogos cognitivos de vários países.

“Na pesquisa, não há resultados que suportem o argumento de que ‘jogos cerebrais’ alterem o funcionamento neural de forma a melhorar o desempenho cognitivo no dia a dia, prevenir o declínio cognitivo ou doenças do cérebro”, diz o texto, divulgado em dezembro de 2014, pela Universidade Stanford e pelo Instituto Max -Plan-ck de Berlim para o Desenvolvimento Humano.

De acordo com o psicólogo David Hambrick, professor da Universidade do Estado de Michigan, é uma má notícia para a indústria do treino cerebral, mas não é surpresa. Há pouco mais de uma década, o consenso na psicologia é que a inteligência em si não pode ser simplesmente aumentada. Se praticamos muito uma tarefa, ficamos melhores nessa atividade específica e talvez em outras similares. Mas nunca em tarefas em geral.

“Jogar determinado videogame com frequência, por exemplo, certamente o fará ficar melhor no jogo. Mas afirmar com certeza que você desempenhará melhor tarefas parecidas no mundo real não é possível”, explica Hambrick. “Com certeza há algo errado nessas promessas de rápidos ganhos de inteligência. Até que haja conclusões mais consistentes, investir em ginástica para o cérebro é desperdício de tempo e dinheiro.”

Fonte: Mente e Cérebro

Tags: ,,,

14/01 /2015 às 09:00

Enviar um comentário

Newsletter

Diretor Técnico Médico Benjamim Pessoa Vale CRM- PI 1916 RQE 347 Rua Bartolomeu Vasconcelos
Nº 2440 • Ilhotas • Teresina-PI 64015-030 • (86) 3194-6950 institutodeneurociencias@hotmail.com